Cumplicidade entre irmãos

Andre

Chamo-me Mateus e meu irmão se chama Tiago. Somos gêmeos. Vivemos sempre unidos, não me lembro de nada que tenhamos feito até hoje sem a companhia um do
outro. Somos como unha e carne. Como todos os gêmeos, sempre aprontamos muito em função de nossa semelhança. Nossa primeira transa foi com a mesma garota.
Era minha namorada e eu a comi num dia e ele no outro, sem ela perceber. Isso foi quando tínhamos 15 anos. Mas o que nos tornou mais unidos foi o que aconteceu
quando estávamos com 17 anos. Tínhamos o hábito de tocar punheta juntos desde de os 9 anos. Sempre fazíamos competição de quem gozava mais rápido, mais
porra, mais tempo... Um dia, nossos pais estavam viajando e nós estávamos em casa sozinhos. Decidimos pegar uns filmes pornôs da pesada. Conseguimos um
e, de noite, colocamos para ver em nosso quarto. Claro que sabíamos que ia rolar muita punheta. Estávamos na cama, um ao lado do outro, quando colocamos
a fita e, para nossa surpresa, a fita veio trocada. Em vez de um filme do Rocco, veio um filme gay, onde um carinha era enrabado por um time de futebol
americano. Era um monte de negão metendo no carinha e ele parecia gostar. No início ficamos contrariados, mas acabamos assistindo. Meu pau ficou duro e
eu fiquei meio constrangido, pois se meu irmão notasse ele iria me zoar. Mas eu não conseguia esconder nada dele e nem ele de mim. Quando olhei para ele,
vi em seus olhos que estava excitado e acho que ele percebeu o mesmo. Ele colocou a mão no meu pau e viu que tava duro: " qual é mano, de pau duro por
que?" Eu passei a mão no seu e vi que ele também tava: "Tu também ta, mane, que que tem?". Rimos muito e continuamos a ver o filme. Até que teve uma cena
que dois caras seguravam o cara arreganhado em cima de um outro e desceram ele na pirocona do cara deitado. O rapaz guentava vara na boa. Eu perguntei:
"Cara, como esse doido agüenta essa rola toda no rabo?" Meu irmão virou e disse: "Vc tem vontade de dar o cu?" Tínhamos muita intimidade, nada era segredo
entre nós. Disse que tinha curiosidade e ele disse que também queria ver como é. Então decidimos fazer um troca-troca. Fizemos um 69, chupamos um ao outro.
No início foi desajeitado, mas depois de um tempinho estávamos um mamando o outro com muita eficiência e acabamos gozando um na boca do outro. Eu engoli
sua porra todinha e ele fez o mesmo comigo. Nossos corpos era muito parecidos e era como se estivesse chupando meu próprio pau. Nos beijamos com o gostinho
de porra ainda na boca e eu pedi a ele para virar. Ele sabia o que estava para vir e empinou a bundinha e eu caí de boca, lambi o cu dele, enfiei a língua,
deixei bem lambuzado e coloquei o pau na entradinha. Ele apenas disse: "Se doer tu para, viu?" Eu pedi para ele ficar calmo que eu ia ser cuidadoso. O
tesão era tanto que quando a cabecinha entrou eu acabei metendo tudo de vez. Ele deu um grito, me chingou, e tirou de dentro. Aí ele falou que era minha
vez, senti a mesma dor. Decidimos não tentar mais naquela noite e ficamos só nas carícias e na chupação. Tomei mais leite dele e ele o meu. Fomos dormir
abraçados, o que não era novidade para nós. Apenas o gostinho de porra era novo em nossa relação e o ardidinho no cu de cada um. Hoje somos casados, temos
filhos e, de vez em quando, a gente faz uma sacanagenzinha juntos. Mas nunca conseguimos comer um ao outro, apenas fazemos sexo oral, mas nossas tentativas
têm sido mais freqüentes.
E-mail=
_andrevilar@uol.com.br